Quer moleza? Então senta no pudim!

DesktopKkkkkk, é isso aí, a vida de montador de móveis não é fácil não. Aqui geralmente quando se compra alguma coisa (seja Ikea, etc.) normalmente trazemos para casa caixas e mais caixas e instruções de montagem. Até tem serviço de entrega e montagem, mas como aqui produto=barato e serviço=caro, todo mundo opta mesmo por brincar de “montador de móveis” por um dia (ou vários dias, hehehe). E claro, tem que contar também que aqui a maioria tem carro grande que dá para transportar essas caixas (porém, até se quiser na própria loja – pelo menos na Ikea – vc aluga um furgãozinho por 24 hrs e leva sua mercadoria para casa). No nosso caso trazemos nós mesmos, é hora do Saulo botar pra uso a “furadeira-5-em-1” que ele tem  e aparafusa tudo rapidinho!

É… mas o mais difícil fica para mim: controlar as crianças para não sumirem com nenhuma porquinha ou parafuso ou manual de instruções kkkkk! Eles adoram “dar uma mãozinha”… :-)

Anúncios

A nossa o lobo não vai soprar (!)

IMG_8632Aqui uma foto que postei no insta @carlagranato do antes e depois da obra do condomínio que está sendo construído aqui em frente de casa. Dá para ver o antes e o depois na mesma foto porque o da direita já está pronto, e o da esquerda está sendo construído mas vai ficar igualzinho.

O mais engraçado é que o Nicholas afirma de pé junto que a nossa casa NÃO é de madeira como essa, mas sim de tijolos, porque a nossa o lobo mau não vai assoprar! hahahaha

O retorno

Here i am

Trying hard
Trying hard to see what there is for me
 
Here I am…
É com esse som do Iron Maiden tocando ‘dentro da minha cabeça’ que retorno a escrever aqui no Blog.
Sejamos bem vindos de volta!!!
Depois loooongas, prolongadíííísimas férias em solo brasileiro (é, foram mais de 2 meses!!!) cá estamos nós de volta ao nosso lar doce lar, nossa casa, our canadian life!
Foram muitas emoções – dessa vez posso dizer que essa frase não é um clichè – e depois de 2 meses e exatos 9 dias em temperaturas escaldantes, aportamos no finalzinho do inverno canadense na sua casa dos 5/7 graus celsius. Nada mal- não tenho objeções a essa mudança brusca de temperatura – desde que eu saia do carro para entrar direto em algum lugar em menos de 2 minutos (máximo) rsss. Ontem, quando fui buscar a Beatriz na escola no primeiro dia do seu retorno, resolvi fazer o tipo ‘mãe assídua e dedicada’ e fiquei na porta da sala dela (outdoor, sem cobertura) debaixo de uma chuva fininha por uns quase 10 min e foi o suficiente para congelar minhas mãos, o queixo e ‘realizar’ que tá frio pra &#$%%$#@.
…..
Chegamos aqui na sexta passada e o dia estava ensolarado. Bela recepção Canada!!! É muito bom chegar num lugar, sair do avião e ver o a luz do sol. Aqui mais ainda, pois como todo mundo sabe, é mais certo ficar nublado 90% do tempo nessa época. Então chegar com um dia que se tem pôr-do-sol dando aquele colorido no visual acizentado como de costume dá uma sensação de aconchego, como um recado de boas vindas da natureza. 
Ainda no aeroporto o Saulo foi buscar no carro na loja de aluguel de carros (yes, nós vivemos aqui de carro alugado) e eu fiquei com as crianças nos esquentando com sopinhas do Tim Hortons (acho que experimentamos todas do cardápio enquanto ele não voltava, e finalizamos com os terríveis donuts). Já começamos a matar as saudades de coisas canadenses e esquentar os corpitchos para atravessar a rua até o estacionamento. Detalhe que preciso confessar: como sempre eu estava tensa com o impacto do frio na volta, pois sempre que viajamos para o Br nos recusamos a levar os casacos pesadões, gorros, luvas e afins. Você deve estar se perguntando “mas como vocês vão para o aeroporto quando vão embarcar para o Br?”. Well, well, well, geralmente saímos de madrugada com as crianças dormindo e coloco apenas roupas para proteger do frio no avião, pois entramos no carro ainda dentro da garagem e o Saulo nos deixa na porta do aeroporto, onde mal ficamos na calçada do lado de fora, logo entramos para o sagão então nem sentimos aquele frio e tal. Ele, como já não sente frio mesmo, é o que menos precisa de casaco, então deixa o carro e vem na boa para o saguão do aeroporto também. Ah, sem contar que é um saco ficar depois carrengando aqueles megas casacos, ou pior, ter que arrumar lugar na mala para despachar é missão impossível com tudo abarrotado. Mas o impacto na volta é fogo, acho que da próxima vez pelo menos gorros e luvas levo para todo mundo, pois fiz as crianças saírem de capuz com boné por cima na saída do aeroporto. A gente parecia um grupo mulambinha hahaha.
Chegando em casa era hora de ligar os aquecedores e arrumar algo para fazer por aí até a casa ficar quentinha para podermos entrar. Sempre que fica muito tempo sem ligar os aquecedores, a casa vira um gelo e demora umas horas para a gente estar nela sem casaco e etc. Até para pisar no chão só de meia é incômodo nessa hora. Meu pé congela! Fomos então no supermercado comprar pelo menos ítens para café da manhã e opções para o jantar.
Assim que entramos as crianças correram para os seus quartos. Em menos de 15 min o chão do quarto do Nicholas já era um ‘mar’ de brinquedo. Ele botou tudo abaixo, tirou tudo de dentro das caixas e bean bags, e ficou excitadíssimo em rever seus brinquedos preferidos de novo. Eu comecei a desfazer as malas… aquele processo de colocar tudo de todo mundo no lugar…um total de 6 malas grandes e 4 malas de mão.
Minha mãe e irmã sempre me perguntam nessas horas, “e aí, tava tudo direitinho, limpinho quando chegou? deu para entrar na boa?”. A casa estava exatamente do jeito que deixamos, nem limpa, nem suja, apenas do jeito que deixamos com um pouquinho a mais de poeira, mas nada demais. Nada comparado a deixar uma casa no Br trancada por quase dois meses e meio que na volta vc vai se deparar com barata, aranha, muita poeira…
Passamos o resto do fim de semama ‘chegando’. Arrumando, colocando roupas para lavar, guardando, e…eu ainda com saudades do Br. É, os primeiros dias aqui são os mais difícies para mim. Acho que a lembrança do Br e da minha família ainda estão muito próximas, e o impacto com minha realidade longe deles me faz repensar toda essa distância e ausência, e aos poucos, quando os dias vão passando, a melancolia se desfazendo e vou entrando na rotina daqui. De qualquer forma, é bom demais chegar na casa da gente,né? Ficar na casa dos nossos pais, em hotel, seja lá onde for é bom, mas nada como o seu lar. So, welcome home!

Pode entrar

Achei umas filmagens que Tio Zé fez quando estava aqui e eu tinha copiado para o meu computador. Como tô me aventurando na área de vídeo, fiz essa montagem aqui no Mac. Quem não conhece nossa casa vai poder ter uma boa idéia, e nós teremos sempre essa recordação para guardar desse nosso cantinho aqui no Canada.

Home Sweet Home in Canada from Carla Granato on Vimeo.

Mudando de casa

Ai, finalmente arrumei disposição para relatar nossa experiência da mudança de casa. Então lá vai…”guenta” aí até o final rsss:

O motivo:  já falei várias vezes aqui que estávamos procurando uma casa para mudar para ficarmos dentro da área limite da escola que queríamos matricular a Beatriz, então todo este esforço foi para mudar para uma casa há 3 quadras adiante…já que o governo tinha exclúído a rua onde morávamos do perímetro da Frost Road Elementary School e ela passou a pertencer a outra escola, a Woodland Elementary. Só que a Beatriz praticamente “frequenta” já a Frost Road, pois a escolinha que ela vai é em frente e eles vão lá todo dia para brincar no parquinho da Frost Road, fora os amiguinhos todos que tem 5 anos que vão para o kindergarte lá tb….ou seja, tinha que ser a Frost Road para ela; esforço válido!

A preparação: bom, mudança é tudo igual né, começa-se a empacotar as coisas de menos uso, até chegarmos ao que não vivemos sem. A imobiliária nos deu um checklist, e tínhamos vários ítens a cumprir à risca já esperados, como limpeza, retirada de lixo, lâmpadas funcionando, menos o carpet cleaning que não sabíamos que era obrigatório. E concluímos que haveriam dois pesos pesados para a gente: um que era realizar a mudança em si (aqui com o U-Haul – aluguel de um caminhãozinho do tamanho que é sua mudança e você mesmo carrega, transporta, descarrega e depois entrega o caminhão – as pessoas podem fazer seu self move-out) e a outra que era a exímia limpeza da casa. Como não temos tanta mobília e nossa casa é super clean* (não trouxemos nada da nossa casa do Br p cá, só temos o mínimo necessário que compramos aqui para mobiliar nossa casa), ficamos com a primeira opção por nossa conta e contratamos o serviço de limpeza indicado pela imobiliária.

*só depois de empacotar tudo e carregar o caminhão vimos como acumulamos coisas já e sim, era muita coisa para mudar!!! #trabalheira

A mudança: o dia da mudança estava marcado para uma sexta-feira, então na quinta, depois de mandar as crianças para a escola, passamos o dia embalando tudo, desmontando, e carregando o caminhãozinho do U-Haul. Isso já significava que não ia dar para jantar em casa, então quando pegamos as crianças na escola fomos direto para o Boston Pizza. Na volta do jantar, continuamos a empacotar mais algumas coisas, Saulo começou a pintar algumas paredes por causa das “obras de arte” que as crianças andaram pintando, a gente controlando os dois para não fazerem muita bagunça no que estava arrumado para levar, fora que as escadas já estavam sem os portõezinhos de segurança..quando então…eu corto a mão enquanto embalava os copos! Eram 10:30 da noite e eu segurando um copo daqueles de vidro grosso consigo espatifar o danado na quina da pia da cozinha. Corre pra lá, corre prá cá, pinga sangue pelo chão, faz curativo…tudo que a gente precisa num momento desses. Sem contar que eu dali para frente não ia poder segurar peso, carregar coisas, cuidar direito das crianças; o corte foi feio, precisaria de pontos…

O dia D: acordamos cedo e levamos as crianças para a escola. Como nosso ritmo de manhã é ditado pelas crianças, o serviço de limpeza estava agendado para começar 9:00, mas nesse horário estávamos saindo do café da manhã que tomamos no Tim Hortons e de lá levaríamos as crianças para a escola. Por isso avisei e deixei as portas da casa abertas para que as mulheres da limpeza pudessem entrar. Ao voltarmos para casa nos deparamos com duas hot girls (mãe e filha) de shortinho curtinhoo com as ‘celulas’ aparecendo, em cima de uma escada fazendo limpeza dos armários da cozinha e com um dvd player que elas levaram tocando nas alturas. Visão do inferno! rsss Eu não sabia se chorava ou ria kkkk, eu olhei para a cara do Saulo e caímos na gargalhadas às escondidas. Mas dava graças à Deus de não ter que limpar a casa toda e elas foram simpáticas. Saulo pintou mais um pouco, corremos na loja de material de construção para resolvermos o piso da varanda (que eu tinha queimado com uma panela há tempos atrás qdo quase botei fogo na casa…), empacotei mais algumas coisas e só consegui ir ao médico no meio da tarde para ver o corte da mão. Tinha passado tanto tempo que o médico disse que não valia mais à pena dar pontos, fez um curativo um adesivo tipo micropore e mandou eu fazer repouso com a mão. Como, no meio de uma mudança?

A casa nova: Fomos lá 1:00 da tarde conforme combinado com a dona da casa, a Harman, um amor de pessoa, para fazer o check in de entrada e eis que….a inquilina antiga ainda estava retirando as coisas dela de lá! Achei um abuso!!!!! A Harman, que estava se casando nesta semana (e é indiana e me contou que o casamento deles dura uma semana, com festa todo dia…) chegou lá toda tatuada nos pés, pernas, mãos e braços com aquela tatuagem de henna que as indianas fazem para casar, fez o check out com a inquilina antiga, o check in com a gente e isso tudo com a empresa da inquilina antiga ainda retirando os móvies dela! Coisa de maluco né? A Harman ainda disse que tinha que sair logo porque tinha salão marcado para fazer as unhas, deu no pé e deixou eu e Saulo lá dentro da casa junto com a inquilina antiga! Surreal! Bom, nesta altura do campeonato já trocamos o telefone com a ex-inquilina para ela nos avisar que horas poderíamos entrar com nossas coisas finalmente na casa. Neste ponto eu já estava “bufanco” mas respirava fundo e tentava fazer cara de simpática…Ainda descobrimos que a ex-inquilina além de ser ex-atleta da seleção de futebol canadense (viajou o mundo todo jogando as copas, olimípadas…) é mãe de uma coleguinha de Beatriz da escola, e está se mudando para o nosso condomínio do qual estamos saindo! Mais surreal ainda!!! Pois bem, só 4:30 da tarde oudemos “adentrar” a casa, e o que eu mais temia pensando como a ex-inquilina conseguiria retirar tudo dela E deixar tudo limpo, não foi consumado. Graças à Deus estava tudo limpinho! Só que…junto com a gente chegou o serviço do carpet cleaning!!! Ou seja, o cara do carpet cleaning nos contou que não conseguiu realizar o serviço mesmo com 3 tentativas durante todo o dia porque a ex-inquilina ainda estava retirando as coisas de dentro da casa…e perguntou se a gente ainda queria o serviço (pago pela proprietária)…é claro que eu queria né, odeio sujeira e carpete é algo que só mesmo lavando. Não tivemos dúvidas….mandamos o cara começar ASAP e lá entra ele com a mangueirona escadas acima e o andar dos quartos e as escadas iam ficam ensopadas à partir deste momento. Como entrar com nossas coisas agora, oh Céus?!!! E tínhamos 1:30 até pegar as crianças na escola… Como minha mão estava machucada, só tinha a outra para carregar pesos leves, nessa entra a participação do nosso amigo Noronha que veio principalmente para colocar o colchão de casal King Size até o quarto (quer dizer banheiro da suíte) já que o cara do carpet cleaning ia ensopar todo o chão da suíte… A solução para o restante das coisas foi empilhar na sala (que é piso de madeira) e não ficaria ensopado, e na garagem. Ufa, a hora passando e fui buscar as crianças 6 em ponto enquanto o Saulo terminava de subir com as coisas que restavam! Bom, voltei p buscá-lo e já que nem podíamos entrar em casa com o carpete ainda para secar, fomos jantar na Wendy’s (olha a surpresa delícia da salada abaixo, com molho de açaí!). Só tarde da noite entramos na nossa casa nova e aquela bagunça para tomar banho e dar banho nas crianças, tudo dentro das malas, eu não sabia nem onde estava o shanpoo, as tolhas, sabonetes… Caímos duros na cama, ops, colchões espalhados pelo chão…zzzzz

A saída da casa antiga: para quem pensa que acabou a saga…não, ainda não! Faltava ainda fazer o check out e entregar o caminhão. Acordamos e fomos direto para a casa antiga, pois estava marcado de manhã cedo. Saulo ficou lá enquanto eu passei no drive thru do Tim Hortons para pegar café da manhã para a gente e voltamos com alguma coisa para o Saulo comer. Tomei café dentro do carro com as crianças estacionada em frente à casa, achando que ia ser rápido…quando aparece o Saulo dizendo que tava tudo indo bem no checklist do inspetor até que eles descobriram um vidro da prateleira da geladeira quebrado…as mulheres da limpeza quebram e não falaram nada!!! Ai que ódio!!! Sorte que o inspetor viu que tinha vidro embaixo da geladeira; ou seja, elas tentaram esconder. Ligamos para e empresa da limpeza, a gerente ligou para elas e elas acabaram confessando, ufa! Menos $$$ para a gente, só mesmo stress para resolver. Partimos de lá para a entrega do caminhão. Saulo foi dirigindo o caminhão e eu fui de carro com as crianças para ele ter como voltar. Ao entregar, mais estresse: uma indiana muito mal educada reclamou que deveríamos ter devolvido o caminhão na noite anterior e deixado a chave num tal box, do lado de fora da loja. Como íamos adivinhar que mesmo com a loja fechada podia-se devolver o truck?!!! Nem sabíamos que funcionava assim..a mulher falou horrores, era melhor que tivesse cobrado mais uma diária que ter sido tão deseducada…

A arrumação endless: é, após toda a jornada de trazer tudo para a casa nova, a próxima etapa é guardar tudo, arrumar, arrumar, arrumar, arrumar… Como não somos de ferro, fizemos um pouco durante o fim de semana que ainda teve a segunda de feriado intercalando com algumas saída de casa para entreter as crianças e a gente desestressar um pouco. No fim vou dizer que até hoje (após 1 semana) tá longe de ter tudo no lugar ainda, mas estou curtindo arrumar aos poucos. Gosto de rever o que temos e reciclar, jogar fora o que não é usado e trazer para uso aquilo que até já esquecemos que temos.

Update

Estou passando rapidinho por aqui só para dar um oi. Várias estórias e passeios já se acumularam e eu nem consegui postar nada…também estou saindo agora do “olho do furacão” da nossa mudança de casa. Não é mole não, viu? Quem pensa aí que tudo aqui é moleza, não imagina o trabalho que dá essa vida DIY (do it yourself). Mudar com duas crianças, sem babá, empregada, ninguém para tomar com dessas ferinhas AND ainda ter que empacotar, carregar nosso truck, descarregar…resolver as pendengas da casa antiga para entregar a imobiliária..ufa!… é só pra quem tem peito. Muito peito, viu? Já fiz inúmeras mudanças antes…esta á a 5.a só depois que a Beatriz nasceu!!! Mas sem ajuda parece coisa de doido, sabe tipo prova de resistência de BBB?!!! Mas esta epopéia da mudança vai ficar para um próximo post, detalhes que não podem ser esquecidos de tão surreais, por isso preciso de fôlego para escrever com calma. Agora só mesmo para dar um olá, dizer que estou viva, que sobrevivemos ao “pequeno furacão” que passou por aqui e postar algumas fotos da casa nova – se é que me permitem atropelar as estórias em ordem cronológica – mas que já quero dividir por aqui:

Por enquanto só tenho estas fotos..ainda tem muitas coisas empacotadas em caixas espalhadas na sala, mas assim que der posto fotos da cozinha, varanda, salas, meu quarto, etc. Tenho muito que arrumar ainda!!! afff

High Chair or booster?

Quando chegamos aqui saímos à caça de cadeirinhas do carro para as crianças, berço, cadeirão, portões de segurança para as escadas. Parecia um novo enxoval de bebê…Já resolvemos maioria das coisas, e agora já tá me dando vontade de trocar o carrinho de bebê que trouxemos…Acabei não comprando outro cadeirão para o Nicholas, optei por esse booster super prático. Detalhe: ele desmonta todo e dá para colocar para lavar na lava-louça!

É aqui que eu "papo" todo dia!

A mesinha também sai e eu posso me sentar à mesa com papai, mamãe e Beatriz!